Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Notícias

Juíza proíbe cláusula de fidelização nos contratos da Net


 



Notícias



31janeiro2012



COBRANÇA INDEVIDA



Juíza proíbe cláusula de fidelização nos contratos da Net




Em Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, a empresa Net foi condenada a suprimir a cláusula de fidelização em todo o território nacional e a devolver os valores cobrados indevidamente dos consumidores a título de rescisão do contrato de prestação de serviços de internet banda larga Virtua. A empresa foi condenada ainda ao pagamento de multa de R$ 100 mil a título de danos morais coletivos.



Em sentença proferida pela 7ª Vara Empresarial da Comarca da Capital, a juíza Natascha Maculam Adum Dazzi ressaltou que "tal cobrança se afigura abusiva e viola frontalmente o artigo 51, inciso IV, do Código de Defesa do Consumidor. Isso porque é inadmissível que a empresa crie uma espécie de garantia de não rescisão do contrato impondo uma multa ao cliente que não mais deseja os serviços contratados e remunerados mensalmente". A cobrança da cláusula de fidelização é expressamente proibida pelo artigo 59, inciso VII, da Resolução 272/2001 da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).



"Os consumidores lesados poderão contratar um advogado e se habilitar para receber sua indenização. Outra alternativa, mais rápida e barata, será ingressar com uma ação individual nos Juizados Especiais Cíveis. O importante é que o consumidor saiba que a prática da Net é abusiva, viola o Código de Defesa do Consumidor e a Resolução da Anatel, e faça valer seus direitos", alertou o subscritor da Ação Civil Pública, o promotor de Justiça Pedro Rubim Borges Fortes, da 4ª Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor da Capital. 



A Net já apresentou recurso de apelação, mas não obteve efeito suspensivo. "Isso significa que a sentença produz efeitos imediatos, e a Net deve cumprir imediatamente a decisão, deixando de cobrar multa por cancelamento do serviço de banda larga e suprimindo a cláusula dos seus contratos", explicou o Promotor de Justiça.



Processo 0055873-94.2011.8.19.001



Compartilhe:
Notícias
Últimas notícias Desaposentação X INSS - JULGAMENTO Pendendente no SUPREMO - STF
Decisão de 04/05/2012 Obtida por nosso escritório em favor da Desaposentação. Aracajú -SE 2 º Instância
Direito de família: indenização por danos morais nas separações e nos divórcios
Não incide IPI sobre carro importado para uso próprio
Juíza proíbe cláusula de fidelização nos contratos da Net
Tribunal troca aposentadoria sem desconto no benefício
Revisão AUXILIO DOENÇA concedidos entre 1999 e 2009 - Cálculo somente sobre as 80% maiores contribuições!!!
DESAPOSENTAÇÃO - Cada vez mais procurada, desaposentação está nas mãos do Supremo
13 3016-8575
Av.Presidente Kennedy , 2822, Conjuntos 1/2/3/4 - Jardim Guilhermina
Praia Grande/SP - CEP: 11702200 [ Mapa ]
Este site utiliza o sistema interAdv v3.0